8.2.10

O animal, com cerca de cinco metros de comprimento, foi encontrado já sem vida por um jornalista do Expresso que passeava no local. 

 

O animal foi encontrado já sem vida

Contactado pelo Expresso, o Comandante do Porto de Tavira, Sameiro Matias adiantou que o animal acabou por ser localizado pela Polícia Marítima ao cair da noite e que o mesmo se encontrava já em estado avançado de decomposição, não permitindo a identificação imediata da espécie.

"Habitualmente, quando os animais não estão vivos, como é o caso, o que nós fazemos é tirar uma fotografia e tirar os dados biométricos, para depois ceder a instituições como o Zoomarine, o Ocenário e o Aquário Vasco da Gama, para que possam ter registos e estudá-los, se o pretenderem", afirma. "Devido ao peso, que rondará os 500 ou 600 quilos, só amanhã será possível removê-lo, com a ajuda de maquinaria mais pesada", acrescenta o responsável.

Instado a observar as fotografias do Expresso, Élio Vicente, biólogo responsável pelo departamento de Ambiente do Zoomarine, explica que se trata de uma baleia-anã, provavelmente uma cria, uma vez que os espécimes adultos rondam os 7 metros, no caso dos machos, e os 8 no caso das fêmeas. "É um caso relativamente normal, porque esta espécie alimenta-se frequentemente junto à costa e nada muito à superfície, pelo que é facilmente abalroada por barcos de grandes calados", explica.

O biólogo acrescenta que este tipo de ocorrência é mais frequente durante o Inverno, altura em que os animais estão mais expostos às intempéries e têm maior dificuldade em sobreviver: "As condições climatéricas são mais duras, há pneumonias e outros problemas de saúde", esclarece. 

Élio Vicente, que pertence à Rede Nacional de Emergência de Animais Arrojados - o Zoomarine é frequentemente contactado para salvar animais vivos que dão à costa, em articulação com a Marinha ou Polícia Marítima - adianta ainda que, tal como com os humanos, e apesar do meio em que vivem ser diferente, as estações com clima mais rigoroso influenciam em muito a mortalidade nas espécies. Algumas acabam por dar à costa já sem vida: "Temos muitos golfinhos-comuns, golfinhos riscados e golfinhos-roaz, mas isso não quer dizer que em termos estatísticos estas sejam as espécies mais vulneráveis, porque os dados não são muito fiáveis uma vez que não existe uma rede nacional para a recolha de informação, de forma sistemática", constata.

No entanto, em casos em que os animais dão à costa ainda vivos, Élio Vicente realça que as boas práticas e o contacto pronto com as equipas de resgate são decisivos: "É como num qualquer acidente com os humanos, a qualidade dos primeiros socorros é fundamental, mas por vezes aquilo que não se faz pode ser tão importante como o que se faz", avisa. Isto porque, por vezes, ao tentarem ajudar, as pessoas não preparadas podem colocar em risco a vida dos animais e até a sua própria integridade física.

"Trata-se de animais selvagens, que nunca viram um ser humano, estão em stress e têm dores. Os humanos representam uma ameaça e por isso as pessoas não devem interagir com os animais, como fazer-lhes festinhas ou dar-lhes beijinhos", recomenda.

Para além do perigo de ataque, existe ainda o risco de contaminação bacteriológica ou por vírus, uma vez que na maioria dos casos, os animais arrojados (que dão à costa) são portadores de doença.

No caso de encontrar um animal vivo que deu à costa, deve ligar-se o número de emergência 96 8849101, da Rede Nacional de Animais Arrojados, ou contactar directamente as autoridades marítimas locais.

A baleia-anã não é uma espécie ameaçada, em termos de conservação, mas encontra-se protegida pela moratória internacional que proíbe a captura a todas as espécies da família dos balenopterídeos

 

Fonte: http://aeiou.expresso.pt/baleia-ana-da-a-costa-no-algarve=f562469

link do postPor *, às 00:31 

 
Siga-nos no Facebook
online
C@ntact@
Blog dos Bichos
Local: PORTUGAL
Pet Sitting e Hospedagem

Apoio Domiciliário a Animais de Estimação e Hospedagem
Garantimos cuidados e mimos aos seus amigos de estimação durante a sua ausência.
Pet sitting e dog walking em Oeiras, Amadora, Lisboa, Sintra e Odivelas
Contactos:
petsitting.ms@gmail.com
915 104 261
www.facebook.com/mspetsitting

Alojamentos que aceitam animais

Apartamentos pet friendly (que aceitam cães, gatos,...)
► Apartamento T1 (para 4 pessoas) no Edifício Dunas Park, Manta Rota, a 50 mts da praia e com vista para o mar.
► Apartamento T2 (para seis pessoas), no centro de Vila Nova de Cacela, a 1,7 km da praia.
www.facebook.com/mantarota
Clique na imagem para mais informações

Para venda

Vende-se apartamento T3 (4 assoalhadas) no centro de Olhão.

Mais informações aqui ou pelo  918 477 219

arquivos
RSS
blogs SAPO